Lendas e tradições

LENDA DA ERMIDA E DO FORNO DA CAL
Lenda da Ermida e do Forno da Cal onde foi queimado, por engano, um criado do Rei Dinis. 
Segundo reza a lenda, quando o rei D. Dinis com sua esposa a Rainha Santa Isabel viviam em Monte Real, por altura da plantação do Pinhal, tinha alguns amores secretos para os lados de Leiria e, nomeadamente, em Amor.
Andando a Rainha desconfiada com as saídas constantes do seu esposo, mandou que um seu criado seguisse o Rei e seus pagens a fim de saber para onde ele ia.
No caminho que o Rei utilizava entre Monte Real e Amor, havia uma Ermida e, um pouco mais adiante, um forno de cozer a cal.
O Rei, apercebendo-se que vinha a ser seguido pelo criado da rainha, ao passar no forno da cal, deu ordens aos operários para agarrarem e meterem dentro do forno um cavaleiro que vinha um pouco atrás.
Acontece que o criado da rainha, por ser muito religioso, entrou na Ermida e ali assistiu à missa que decorria nesse momento.
Algum tempo depois, o Rei mandou um dos seus criados ao forno a perguntar se as ordens de El-Rei haviam sido cumpridas. Os operários responderam que não mas que seriam, de imediato cumpridas e, sem mais, meteram o criado de Rei no forno que assim foi queimado como sendo o criado da rainha o que foi entendido como um milagre daquela e um sério aviso ao Senhor El-Rei D. Dinis.
Ainda hoje, aos locais onde existiam a ermida se chama “Ermida” e o forno se chama “forno da Cal”. 
.
LENDA DE SEGODIM
O lugar do Segodim, da Freguesia de Monte Real, deve o seu nome à lenda seginte:
Certa noite de intenso temporal estava a Rainha Santa Isabel muito preocupada, na sua casa em Monte Real, pela demora do Rei D.Dinis, seu esposo, a regressar a casa.
Suspeitando que o Rei tivesse ido para Amor visitar uma das suas secretas amadas, a Rainha resolveu ir ao seu encontro com alguns dos seus criados. Assim fez e, ao longo do caminho, foi colocando, em buracos protegidos do temporal, luzes feitas com cascas de caracol cheias de azeite e um cordão aceso para sinalizar o mesmo.
Ia a rainha nessa azáfama quando encontrou o Rei que, ao vê-la toda molhada naquele local e àquela hora tardia, exclamou:
- Que fazeis aqui Senhora minha?
- A Rainha respondeu:
- Estava preocupada pela Vossa demora e pela vida e resolvi vir ao Vosso encontro senhor.
O Rei, ao ver as luzes colocadas no caminho, ficou muito perturbado e exclamou:
- Até que eu cego vi...
Retorquiu-lhe a Rainha:
- Cego vindes de Amor meu senhor.
Assim terá surgido o nome do lugar de CEGOVINDES – CEGOVIM – SEGODIM.
.
LENDA DE SERRA DO PORTO DO URSO
O lugar de Serra do Porto de Urso deve o seu nome, segundo a lenda, a uma luta que El-Rei D. Dinis travou com um corpulento urso acabando por o empurrar para dentro de um poço onde o mesmo morreu.
Reza a lenda que, numa das suas idas secretas para Amor onde residia uma das suas amadas, El-Rei D. Dinis foi atacado por um enorme urso com o qual lutou acabando por o atirar a um poço.
Ao local ficou a chamar-se “Poço de Urso” mais tarde “Porto de Urso” e posteriormente “Serra do Porto de Urso” por ser uma elevação acima do Vale do Lis 
Apesar da sua referência como povoação só aparecer em Outubro de 1292, altura em que foi fundada por D. Dinis, existem vestígios a comprovar a passagem e permanência de povos em épocas mais remotas, romana e até neolítica.